Para onde o excesso de trabalho pode nos levar?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Longas jornadas de trabalho, dificuldade em delegar, pressão para ser produtivo o tempo todo. Quando não está trabalhando, está pensando em trabalho. Não consegue se desligar. Agora, soma a esse excesso, a tensão, a fadiga, a angústia e a necessidade de isolamento provocados pela pandemia de covid-19.  

Essa combinação está provocando impactos na saúde física e emocional de muitos profissionais. Um estudo lançado pela Microsoft revelou que os brasileiros são os que mais relataram a sensação de burnout durante o período de pandemia: 44% dos profissionais revelaram se sentir assim, exaustos em relação ao trabalho. Em segundo lugar vem Singapura (37%), seguida de Estados Unidos (31%), Índia (29%) e Austrália (28%). 

Cuidar da saúde mental dos colaboradores está cada vez mais ocupando uma posição de prioridade dentro das empresas. Isso envolve estar mais próximos dos profissionais, entender suas individualidades, e disponibilizar especialistas para o acompanhamento mental e emocional dos funcionários. 

Da parte do profissional, estar atento aos sinais de esgotamento e entender os seus limites é fundamental para encontrar o tão estimado equilíbrio. Afinal, será mesmo que o melhor profissional é aquele que não pára nunca? Parece que não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *